EXERCÍCIOS E ATIVIDADES LINFOMIOCINETICOS NO TRATAMENTO DO LINFEDEMA: PODEM PIORAR OU MELHORAR?

Home   /   Blog

Exercícios e atividades linfomiocineticos no tratamento do linfedema: podem piorar ou melhorar?

Exercícios e atividades linfomiocineticos no tratamento do linfedema: podem piorar ou melhorar?

O linfedema é uma condição clínica que leva ao edema em partes do corpo decorrente do acumulo de macromoléculas no espaço intersticial e este levando a retenção de líquidos. Os exercícios e as atividades linfomiocinéticas são fundamentais no tratamento do linfedema quando feitas de forma correta ou lesivas quando feito incorretamente, portanto a orientação de um especialista se faz necessário. Infelizmente essa é a realidade e sugiro que se o paciente não tiver orientação de um especialista de forma individualizada é preferível não fazer nada, pois evita lesões irreversíveis e agravamento do linfedema.

1- Como agem os exercícios e as atividades linfomiocinéticas?

            As atividades linfomiocinéticas são definidas como toda atividade física que realizamos no dia a dia. Os exercícios são as atividades físicas que realizamos de forma programada. Eles agem exercendo uma compressão externa sobre os vasos e espaço intersticial. Dessa forma gerando uma variação intermitente de pressão favorecendo a drenagem linfovenosa. Nos vasos exerce pressão denominada de vis a latere onde é gerado um diferencial de pressão potencializando a drenagem da linfa. No espaço intersticial esse diferencial de pressão potencializa a formação da linfa. Eles são fundamentais no tratamento do linfedema. Esse conceito definido no Método Godoy é fundamental para compreender melhor sua utilização.

2- As atividades linfomiocinéticos podem lesar os vasos e agravar o edema?

            Sim, dependendo como eles são realizados podem lesar ainda mais os vasos e piorar o edema. Entretanto, as atividades linfomiocinéticas são fundamentais no tratamento do linfedema e sem elas há uma maior dificuldade no tratamento. Ressalta-se que elas devem ser associadas preferencialmente a mecanismos de contenção. Essa é uma das mais importantes informações que esses pacientes precisam receber. As atividades de forma geral são estimuladas a serem realizadas, porém com menor intensidade, menor tempo de duração com intervalos de tempo entre uma serie de movimentos e outras e menor quantidade peso que se possa associar durante essas atividades. Atividades com movimentos repetitivos devem ser realizadas em curto período de tempo e sempre intercalando com outras atividades com diferentes movimentos e uso de diferentes cadeias musculares, assim reduz riscos de sobrecarga e piora do edema. É comum na pratica diária uma historia clínica de pacientes que estavam bem há anos no pós-tratamento do câncer de mama e depois de uma atividade física mais intensa surgiu o edema. Como podem observar as orientações quanto as atividades  linfomiocinéticas são fundamentais na prevenção do linfedema.

3- Como os exercícios físicos ativos podem piorar ou desencadear o edema?

Temos vários casos para ilustrar essa ocorrência tanto na piora do edema como no surgimento do edema. Exercícios que ultrapassam a capacidade de drenagem da linfa podem provocar aumento do volume do membro. Dessa forma, os exercícios devem ser adaptados e avaliados por um profissional capacitado e individualizado. Esse detalhe é fundamental porque encontramos nas redes sociais informações de todos os tipos e muitas vezes equivocadas e que podem lesar mais o paciente. Alerta-se que cada lesão acrescentada é irreversível, portanto não só piorando, mas dificultando o tratamento.

 Temos pacientes com linfedema bilateral de membros inferiores que tiveram a normalização do edema e hoje praticam corridas de 10 kilometros duas a três vezes por semana. Porém, temos pacientes de 15 anos de idade que não pode realizar pequenas corridas que tem seu linfedema agravado. Portanto, cada caso é um caso e devemos analisar a realidade de cada paciente.

Trabalhos na literatura mostram que os exercícios ativos são importantes, como realmente são, porém não podemos generalizar e indicar para todos pacientes sem orientação e acompanhamento. Quando feito errado pode piorar a situação de muitos deles de forma irreversível.

A sugestão para esses pacientes quando desejam realizar um exercício consulte um especialista em linfedema para que ele possa orientá-los de forma correta e o  exercício passar a ser uma atividade segura e útil para sua vida.

4-Quais são as principais atividades linfomiocinéticas para linfedema de membros inferiores?

             Não há duvida de que a caminhada feita de forma lenta é a melhor opção, porem deve ser feita com meia elástica ou de tecido de gorgurão. Realizamos pesquisa avaliando a caminhada sem a meia onde foi observado o aumento do volume do membro. Quando a caminhada foi feita sem ajustar a meia de forma correta não houve diferença no volume antes e após caminhar, porém quando caminhou com a meia bem ajustada ocorreu redução do volume. Essa observação foi feita em pacientes com varizes usando meia elástica durante a caminhada, onde se detectou a redução de volume. Conclui-se que a caminhada é a melhor opção para esses pacientes, porem associado a mecanismo de contenção (meia elástica ou de gorgurão).

 Estudos avaliando especificamente exercícios nos linfedemas de membros inferiores são raros e não encontramos como monoterapia até o momento. Portanto, a única atividade que avaliamos que é segura e aconselhada é a caminhada. Observa-se na literatura e nas redes sociais uma serie de sugestões de exercícios para membros inferiores, porém sem uma avaliação cientifica quantitativa de seus resultados. Entretanto, muitos deles podem ser realizados sob supervisão de um profissional.

A bicicleta ergométrica não é sugerida para os pacientes com linfedema de membros inferiores porque não utiliza bem da musculatura de panturrilha que é a “bomba impulso aspirativa”.

5-Quais são as principais atividades linfomiocinetica para linfedema de membros superiores?

A tese da Dra. Fatima Godoy foi identificando oito tipos de atividades de vida diária como varrer a casa, passar roupa, escovar os dentes e outras. Essas pacientes foram orientadas em como realizá-las e foram associadas a uma braçadeira de gorgurão. Dessa forma, transformando uma atividade linfomiocinética e exercício ocupacional linfomiocinético. Apenas com essa adaptação detectou-se que é possível tratar o linfedema pós-tratamento do câncer de mama. Assim sendo, a melhor opção é identificar em cada paciente o que ela realiza de forma mais prazerosa de vida diária e estimular essa atividade.

6-Exercícios ativos de membros  superiores

Em relação a exercícios dos membros superiores são os mais citados e  sugeridos, entretanto sua indicação de rotina não deve ser feita sem o acompanhamento de um especialista. É sugerido que a paciente tenha uma orientação com supervisão de cada tipo de exercício que proponha a realizar.

Nossa experiência nesses anos identifica que a supervisão é fundamental e mesmo informando ao paciente de como ele deve fazer muitas vezes ele acaba fazendo  da maneira que ele acha que é o mais correto. Temos um laboratório de exercícios para membros superiores onde realizamos pesquisas educativas junto a esses pacientes. Primeiro orientamos a fazer de forma correta e mensuramos com a volumetria o quanto ele perdia durante uma hora de atividade. Depois sugerimos que ele realizasse da maneira que ele queria realizar. Demonstramos com isso que quando ele não fazia de forma correta ocorria aumento e não a redução do volume do membro.

7-Quais as principais indicações para os exercícios e atividades linfomiocineticas?

Há três grandes indicações:

1-Reduzir o edema

2-Melhorar o trofismo muscular

3-Manter o trofismo muscular

8- Que tipo de exercício é sugerido para redução do edema?

Os exercícios passivos são os mais importantes porque exigem menor fluxo de sangue durante atividade. Quando se opta por exercícios ou atividades linfomiocinéticas ativos sugere que sejam realizados com mecanismos de contenção. As atividades linfomiocinéticas com braçadeiras de gorgurão permitem a redução do edema. Portanto, a forma mais econômica de tratamento do linfedema de membros superiores.

9-Para manter o trofismo muscular é sugerido que tipo de exercício?

Nesse caso os exercícios ativos são os recomendados, entretanto o objetivo é apenas a manutenção do trofismos muscular e não é sugerida a hipertrofia muscular. A hipertrofia pode levar a um aumento da pressão compartimental, fato não recomendado para um paciente portador de linfedema. Entretanto, sugerimos primeiro tratar do edema reduzindo para evitar lesões musculares de tendões. Um membro muito pesado pode aumentar a chance de dessas lesões.  

10-O que é sugerido para melhorar a mobilidade articular ?

Nesse caso sugerimos inicialmente reduzir o edema pelo fato de muitas vezes apenas com essa redução já é possível à melhora da mobilidade. Caso não atingiu os objetivos com a redução de o edema fazer uma programação de exercícios ativos adaptado a cada paciente.